segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

SÔNIA OITICICA O TALENTO E A OUSADIA DE UMA GRANDE ATRIZ

Sônia Oiticica nasceu em Rio Largo, Alagoas, no dia 19 de dezembro de 1918.
Filha de um intelectual, o professor José Oiticica, um anarquista militante, diversas vezes preso, Sônia fazia parte de uma numerosa família de oito irmãos, sete mulheres e um rapaz. Com alguns meses de vida veio com a família para o Rio de janeiro, onde passou a infância e adolescência.
Sua estreia nos palcos de deu pelas mãos do legendário diretor Paschoal Carlos Magno, responsável também pela estréia de Sérgio Cardoso no teatro.  A peça de estréia foi   Romeu e Julieta, de Shakespeare, sob a direção de Itália Fausta, ao lado de Paulo Porto em 1938. Já na estréia se mostrou uma atriz ousada ao beijar de verdade, o galã  em cena, provocando um verdadeiro escândalo. A fama de atriz abusada foi confirmada por suas atuações nas peças do  dramaturgo Nélson Rodrigues, entre elas A Falecida (1953); Senhora dos Afogados (1954); Perdoa-me por me Traíres (1957); O Anti-Nelson Rodrigues (1974) e  Vestido de Noiva (1994).

Em 1944 abandonou temporariamente a carreira artística para se casar com Charles Edward, um capitalista. Não deu certo e seis anos depois estava separada do marido, retornando aos palcos e ao rádio.

Em 1953 formou uma companhia de teatro com Sérgio Cardoso, Leonardo Villar e Nydia Licia, a Cia. Dramática Nacional. Foi nessa companhia que fez A Falecida, sua primeira peça de Nelson Rodrigues. Em 1958 mudou-se para São Paulo e ao lado de Sérgio Cardoso atuou em O Soldado Tanaka. Nessa época integrou o elenco do Teatro Popular do Sesi, sob a direção de Osmar Rodrigues Cruz, nas peças Manhãs de Sol, A Moreninha e Intriga e Amor.

Em 1966, estreou em telenovelas, em As Minas de Prata de Ivani Ribeiro, sob a direção de Walter Avancini, diretor de muitos de seus trabalhos futuros na televisão. Atuou ainda em Redenção (TV Excélsior, 1966), Legião dos Esquecidos (TV Excélsior, 1968), Ana (TV Record, 1968), Cavalo de Aço (TV Globo, 1973), Gabriela (TV Globo, 1975), Nina (TV Globo, 1977), Gaivotas (TV Tupi, 1979), Dulcinéia Vai à Guerra (TV Bandeirantes, 1980), Os Adolescentes (TV Bandeirantes, 1981), Ninho da Serpente (TV Bandeirantes, 1982) e O Campeão (TV Bandeirantes, 1982).

Além de peças e novelas, Sônia Oiticica também teve passagem pelo cinema, participando de algumas produções como Pureza (Chianca de Garcia,1940), A Moreninha (Glauco Mirko, 1970), O Desconhecido (Ruy Santos, 1978), O Caso Cláudia (Miguel Borges, 1979) e Bonitinha, mas Ordinária (Braz Chediak, 1981).

Na década de 1990 participou de diversas montagens do grupo TAPA, incluindo um retorno à obra de Nelson Rodrigues na peça Vestido de Noiva, sob a direção de Eduardo Tolentino de Araújo


Sônia Oiticica morreu no dia 26 de fevereiro de 2007, aos 88 anos, de infecção generalizada após submeter-se a uma cirurgia devido a uma fratura no fêmur, resultado de uma queda em sua casa. 

Aqui uma pequena homenagem a essa grande atriz brasileira, simpática e talentosa.

Sônia Oiticica

Sônia Oiticica

Sônia Oiticica no filme A Moreninha

Sônia Oiticica

Sônia Oiticica
Sônia Oiticica
Sônia Oiticica
Sônia Oiticica
Sônia Oiticica

Sônia Oiticica

Sônia Oiticica com Eva Todor e Heloísa Helena na peça Feia (1940)

Sônia Oiticica com Sérgio Cardoso e Leonardo Villar na peça A Falecida (1953)

Sônia Oiticica com Sérgio Cardoso na peça A Falecida

Sônia Oiticica com Nélson Rodrigues na peça Perdoa-me por me Traíres (1957)

Sônia Oiticica com Paulo Porto na peça Romeu e Julieta (1938)

Sônia Oiticica com Carlos Mello na peça Senhora dos Afogados (1954)

Sônia Oiticica com Henriette Morineau na peça Jezebel (1952)
Sônia Oiticica com Bibi Ferreira na peça Gota D´Água (1976)

Sônia Oiticica com Ana Lúcia Torre na peça Vestido de Noiva (1994)

Sônia Oiticica com Denise Waimberg na peça Vestido de Noiva (1994)

Sônia Oiticica com o elenco do Grupo Tapa em 1995

Sônia Oiticica no filme Pureza (1940)

Sônia Oiticica com David Cardoso e Sônia Braga no filme A Moreninha (1970)

Sônia Oiticica com Luiz Linhares no filme O Desconhecido (1978)

Sônia Oiticica em As Minas de Prata (TV Excélsior, 1966), novela de Ivani Ribeiro, direção de Walter Avancini
Sônia Oiticica com Arlete Montenegro em As Minas de Prata


Sônia Oiticica (em pé, de preto, à direita) em Ana (TV Record, 1968), novela de Sylvan Paezzo, direção de Fernando Torres

Sônia Oiticica em Ana 

Sônia Oiticica com Maria Estela e Walter Avancini em Ana 
Sônia Oiticica com Maria Estela em Ana

Sônia Oiticica com Ziembinki em Cavalo de Aço (TV Globo, 1973), novela de Walter Negrão, direção de Walter Avancini

Sônia Oiticica em Cavalo de Aço
 
Sônia Oiticica em Cavalo de Aço
Cláudio Cavalcanti, Sônia Oiticica e Renata Sorrah em Cavalo de Aço 

Sônia Oiticica com Cláudio Cavalcanti e Ziembinki em Cavalo de Aço

Sônia Oiticica com Maria Luiza Castelli em Cavalo de Aço

Sônia Oiticica com Nívea Maria em Gabriela (TV Globo, 1975), novela de Walter George Durst, direção de Walter Avancini

Sônia Oiticica com José Wilker e Nívea Maria em Gabriela

Sônia Oiticica em Gabriela

Sônia Oiticica com Norma Suely e Regina Duarte em Nina (TV Globo, 1977), novela de Walter George Durst, direção de Walter Avancini

Sônia Oiticica com Laura Cardoso, Yoná Magalhães e Berta Zemel em Gaivotas (TV Tupi, 1979), novela de Jorge Andrade, direção de Walter Avancini

Sônia Oiticica com Hélio Souto em Dulcinéia Vai à Guerra (TV Bandeirantes, 1980/81), novela de Sérgio Jockyyman, direção de Henrique Martins
Sônia Oiticica com Benjamin Cattan e Hélio Souto em Dulcinéia Vai à Guerra 

Capa do livro  Sônia Oiticica Uma Atriz Rodriguiana, escrito por Maria Tereza Vargas para a Série Aplauso, editado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo

Sônia Oiticica com Orias Elias no evento Satirianas (2001)

Fotos - acervo de Orias Elias - revistas Amiga (Bloch Editores), Contigo (Editora Abril), Sétimo Céu (Bloch Editores), Romântica (Editora Vecchi), Melodias  (Editora APA), Manchete (Bloch Editores), Cartaz (Rio Gráfica e Editora SA), Intervalo (Editora Abril), O Cruzeiro, Jornais Diário de São Paulo, Folha de São Paulo, Imprensa Oficial, Blog Revista Amiga e Novelas (Césio Gaudereto), site TV Globo, Site Canal Viva, Cedoc (TV Globo), sites diversos da Internet,  site Banco de Conteudos Culturais (www.bcc.org.br) 

domingo, 4 de janeiro de 2015

MARIA ISABEL DE LIZANDRA – A ESTRELA DESAPARECIDA


Maria Isabel de Lizandra nasceu em São Paulo no dia  5 de junho de 1946.

Ainda que conste em seu currículo algumas peças de teatro e filmes, sua carreira foi construída basicamente como atriz de telenovelas. A estréia foi em 1964 na novela Se o Mar Contasse, de Ivani Ribeiro para a TV Tupi, com direção de Geraldo Vietri.

Em 1966 transferiu-se para a TV Excélsior, onde participou de várias novelas de sucesso como Anjo Marcado, As Minas de Prata, O Terceiro Pecado, Dez Vidas, A Menina do Veleiro Azul e A Muralha, todas escritas por Ivani Ribeiro. Também marcou presença em O Tempo e o Vento, outra superprodução da emissora, escrita por Teixeira Filho, tendo por base a obra de Érico Veríssimo.

Com o fechamento da TV Excelsior, voltou para a TV Tupi, participando de novos sucessos escritos por Ivani Ribeiro: As Bruxas, Camomila e Bem-me-Quer, Mulheres de Areia e O Machão.  Na TV Tupi protagonizou ainda Vila do Arco, de Sérgio Jockymann,  Xeque-Mate, de Walter Negrão e interpretou a filha caçula de Éramos Seis, a premiada adaptação do romance homônimo de Maria José Dupré, escrita por Silvio de Abreu e Rubens Ewald Filho.

 No teatro participou de algumas montagens, entre elas os espetáculos Quarto de Empregada, O Duelo, Felisberto do Café, Elas Complicam Tudo, Adiós Geralda, Freud, Além da Alma e Amadeus.

No cinema, estreou num filme clássico, Vereda da Salvação, dirigido por Anselmo Duarte em  1964 e nos anos 1970 participou de algumas pornochanchadas como As Mulheres Sempre Querem Mais (Roberto Mauro, 1974),  O Supermanso (Ary Fernandes, 1974), A Noite das Fêmeas (Fauzi Mansur, 1976) e Belas e Corrompidas (Fauzi Mansur, 1977).
  
Com a derrocada da TV Tupi participou de algumas novelas da TV Globo (Champagne, Pacto de Sangue), TV Manchete (Dona Beija) e alguns telecontos para a TV Cultura. Estranhamente, a partir dos anos 1990 sua carreira declinou absurdamente. A outrora estrela de primeiro escalão foi completamente esquecida pelos escaladores de elenco das emissoras.


A título de curiosidade, lembro-me de um episódio ocorrido comigo, ocasião em que ela foi muito antipática: Em  1977, recém chegado a São Paulo, num salão de cabeleireiro na Rua dos Ingleses, onde eu havia ido fazer uma entrega, encontrei a atriz. Menino ingênuo a cumprimentei. Ela, de óculos escuros, escondeu-se atrás de uma revista e não me respondeu, ficando eu completamente embaraçado. Muitos atores, no auge de popularidade, desprezam o público. A glória, no entanto, muitas vezes é efêmera... 

Nessas postagens, que eu dedico ao incansável blogueiro Césio Gauderetto (Blog Tudo Isso é TV), fã da atriz, algumas imagens da carreira de uma das maiores estrelas da televisão brasileira.

VEJA TAMBÉM:



Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra
Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra
Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra
Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra
Maria Isabel de Lizandra
Maria Isabel de Lizandra
Maria Isabel de Lizandra
Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra
Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra e Ênio Gonçalves em Xeque-Mate

Maria Isabel de Lizandra e Ênio Gonçalves em Xeque-Mate
Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra em Éramos Seis
Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra e Jayme Perriard em Dona Beija

Maria Isabel de Lizandra e Carlos Augusto Strazzer em Champagne

Maria Isabel de Lizandra e Carlos Augusto Strazzer em Champagne

Maria Isabel de Lizandra 

Maria Isabel de Lizandra num ensaio de moda com o galã Fausto Rocha

Maria Isabel de Lizandra num ensaio de moda com o galã Fausto Rocha

Maria Isabel de Lizandra num ensaio de moda com o galã Fausto Rocha

Maria Isabel de Lizandra com Antônio Fagundes e Ruthinéia de Morais no lançamento da novela O Machão

Maria Isabel de Lizandra com Lisa Vieira e Antônio Fagundes no lançamento da novela O Machão

Maria Isabel de Lizandra com Raul Cortez, Laerte Morrone, Ednei Giovenazzi e Lílian Lemmertz no lançamento da novela  Xeque-Mate

Maria Isabel de Lizandra com o ator e diretor Henrique Martins nos anos 1970

Maria Isabel de Lizandra e Antônio Fagundes, dupla de sucesso na novela Mulheres de Areia
Maria Isabel de Lizandra e Antônio Fagundes, os protagonistas de O Machão

Maria Isabel de Lizandra e Antônio Fagundes, novela O Machão

Maria Isabel de Lizandra e Ênio Gonçalves, sucesso em Xeque Mate

Maria Isabel de Lizandra e Ênio Gonçalves
Maria Isabel de Lizandra (em pé, à esquerda) e o elenco de Mulheres de Areia

Maria Isabel de Lizandra (sentada, de turbante, ao centro) e o elenco de Éramos Seis
Maria Isabel de Lizandra (em pé, ao centro) e o elenco de Camomila e Bem-me-Quer

Maria Isabel de Lizandra 

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra
Maria Isabel de Lizandra
Maria Isabel de Lizandra
Maria Isabel de Lizandra
Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra em Vila do Arco

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra em O Machão
Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra 
Maria Isabel de Lizandra com seu então marido e Laerte Morrone no lançamento da novela Vila do Arco

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra


Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra

Maria Isabel de Lizandra


Fotos - acervo de Orias Elias - revistas Amiga (Bloch Editores), Contigo (Editora Abril), Sétimo Céu (Bloch Editores), Romântica (Editora Vecchi), Noturno (Editora Vecchi), Melodias  (Editora APA), Manchete (Bloch Editores), Cartaz (Rio Gráfica e Editora SA), Intervalo (Editora Abril), O Cruzeiro, Jornais Diário de São Paulo, Folha de São Paulo, Imprensa Oficial, Blog Revista Amiga e Novelas (Césio Gaudereto), site TV Globo, Site Canal Viva, Cedoc (TV Globo), sites diversos da Internet